Para "Imprimir" ou "Salvar" escolha a opção "Arquivo" (que se encontram no seu browser),
e depois "Imprimir" ou "Salvar Como", respectivamente.

SECRETARIAS DE ATIVIDADES

 

UM INSTRUMENTO DE BÊNÇÂOS NO TRABALHO FEMININO / IPB

 

........

.... ....

 

Muito se tem falado ultimamente, em ministérios; é como se algo novo estivesse surgindo.

Ao longo de nossas considerações, vocês verão que, ministrar é servir.

SERVIR, este é o ministério, quem não o conhece ainda?

 

            Amadas,

 

            Nosso tema geral – Santidade: Unidade e Paz, nos chama à uma reflexão profunda. Urge uma busca consciente do que é, de fato, uma vida santa de conformidade com os ditames de nosso Senhor e Mestre, que em toda a sua vida trabalhou literalmente, em beneficio dos outros. Jesus nos legou exemplo de trabalho (Jo 5.17).

 

            Não podemos pensar numa vida santa sem frutos “...e vos nomeei para que deis frutos...” (Jo 15.16).  É tempo de santificação, é tempo de trabalho.

 

            O trabalho deve nos impulsionar a uma vida útil a Deus, à Igreja e ao próximo. Isto é servir.... Servir é amar cada SAF que se amplia acompanhando o progresso, a tecnologia e, em decorrência disto, assistindo.

 

            Podemos definir ainda a SAF como uma enorme construção cuja estrutura foi revelada por Deus quando da feitura da mulher (Gn 2.18) - Auxiliadora idônea. Hoje, suas “colunas de sustentação“ são as Secretarias de Atividades, porque ensejam a participação efetiva de todas as sócias e o conseqüente envolvimento da Igreja na sua totalidade.

 

            Mas, uma ou outra vez, somos surpreendidas com esta notícia “...a SAF da minha Igreja foi extinta....o pastor (?) está implantando ministérios”.

 

            Ministérios?

 

Entendemos que ministrar significa servir. E se ministrar é servir, o ministro é um servidor e o ministério é um serviço!.... certo?

 

            Então, a SAF está no caminho correto, postando-se como auxiliadora ao longo de todos estes anos. A mulher presbiteriana tem tido a oportunidade de cumprir o seu ministério, instituído pelo próprio Deus, realçado por Jesus, que, ao longo do seu ministério, se deixou seguir pelas mulheres (Mt 27.55,56), largamente difundido pelos apóstolos, e continua tendo firme o propósito de exercitar tais atribuições observando a ordem organizacional da IPB, que em sua estrutura de funcionamento evidencia o trabalho das Sociedades Auxiliadoras Femininas “ – Art. 83 h/CI. Assim pois cumprimos nosso ministério.viço. Digamos que na SAF exercemos, literalmente, o ministério da sustentação , participando efetivamente da vida e serviço da Igreja conforme proposta de trabalho planejada, supervisionada e orientada pelo Conselho, órgão administrador da Igreja em nosso sistema organizacional – Art. 8º da CI.

           

Só a guisa de exemplificação vale a pena dizer que o ministério da sustentação ou do suporte (Ef 4.2, Cl 3.13) está intimamente ligado ao desempenho das atividades em todas as Secretarias nas Sociedades Internas da IPB.

 

            O caso mais comum que conhecemos de ministério de sustentação é o de Moisés, Arão e Ur, que pelo suporte destes, aquele pode permanecer de mãos erguidas ensejando, assim,  a  vitória do povo de Deus, sobre o exército de Amaleque (Ex 17.8-14).

 

            Quando as líderes que nos antecederam imaginaram a SAF, estruturando-a em seus moldes: plenária, departamental, com reuniões mensais, corroboradas pelo bom desempenho das atividades ministeriais de cada Secretaria, tiveram em mente a certeza de que haviam-na imaginado quase perfeita (dissemos quase, porque sendo de organização humana, é passível de falhas). E, ao longo de mais de um século, a SAF tem desempenhado seu papel, ocupando os espaços, satisfazendo necessidades e quanto mais faz, mais se firma na sua estrutura básica, fortalece os princípios que norteiam seus objetivos e mais útil se torna na Igreja e, principalmente, na sociedade onde tenta influir de todos os modos, como fator de integração e consolidação dos princípios bíblicos e doutrinários – pilares de sustentação de uma Igreja cônscia de sua responsabilidade diante de Deus e dos homens – Art. 1 da CI.

 

Eis, porque reiteramos às Presidentes (SAF, Federação e Sinodal), a qualidade insubstituível das Secretárias de Atividades para a realização de um bom trabalho.

 

            À nossa volta é cada vez maior a necessidade do “mundo” que grita num cruciante apelo à sensibilidade cristã e cada Secretaria tem sua área de ação específica dentro e fora da Igreja – pensemos nisto. A sociedade precisa ser alcançada pelas bênçãos que Deus nos deu para que o reflitamos (Lc 8.16), não só como Senhor nas nossas vidas, mas também como solução para a salvação de outros.

 

            Como bem podemos ver, em cada Secretaria encontramos muitas possibilidades de trabalho. Porém, a Secretária não deve programar quaisquer atividades à revelia da Diretoria. Todas as atividades deverão ser programadas em conjunto e de tal modo que toda a Sociedade se envolva. Até porque, as atividades muitas vezes são desempenhadas por duas ou mais Secretarias ao mesmo tempo.

 

É certo que, no trabalho do Senhor, há lugar para todos que queiram trabalhar (Mt 9.37,38) e é curioso: quanto mais trabalhamos, mais somos chamados a trabalhar.

 

            Então, se você é uma das Secretárias de Atividades de sua SAF, Federação ou Sinodal, olhe para a frente e dê a arrancada, confie em Deus e avance ( Lc 9.62). Quem nos sustenta é Deus (Is 41.13), pois a obra é dele.

 

            Amadas antes de falar das atividades próprias de cada Secretaria, queremos transcrever, para conhecimento, os comentários do Dicionário da Bíblia John D. Davis, sobre o título e pessoa do ministro:

 

 “MINISTRO”

1 – Título que se dava a um assistente ou auxiliar “não do serviço doméstico”, um hebreu meshareth, em grego, hyperetes. O escravo José elevado à posição honrosa e de confiança na casa de seu senhor, passou a ser o encarregado de todas as coisas, Gn 39.4. A jovem  Abisague, escolhida para o serviço do rei Davi, ministrava-lhe o que exigia o seu estado de saúde I Rs 1.4,15. Josué assistia a Moisés como seu ministro no tabernáculo e foi o seu sucessor no comando do povo. Ex. 24.13; 33.11; Js 1.1... Elizeu serviu de ministro a Elias, dava-lhe água para as mãos e sucedeu-o no ofício de profeta. I Rs 19.21;  II Rs 3.11. O assistente da sinagoga auxiliava o leitor da Lei, dando e recebendo o livro, e chamava-se o ministro, Lc. 4.20. Os discípulos que assistiam a Jesus e que eram suas testemunhas, chamam-se ministros da palavra. Lc 1.2; At 26.16. Marcos e Barnabé assistiam a Paulo na sua primeira viagem missionária, At 13. 5.

 

            2 – Título que se dava  a um funcionário público à serviço do estado, ou ao serviço de Deus: em hebraico meshareth; em grego leitourgus, como eram os sacerdotes e os levitas exercendo as suas funções no    santuário, Ex 28.43; Nm 3.31; Dt 18.5; Is 61.6;  Lc 1.23; Hb 9. 21, como era Jesus Cristo, exercendo as funções de sumo sacerdote no verdadeiro tabernáculo, Hb 8. 2; como Paulo, ministrando o evangelho aos gentios, Rm 15.16. Este epíteto dava-se ao magistrado civil. 13. 6, e designava um attaché da corte, I Rs 10.5, que muitas vezes era pessoa de alta categoria social. II Cr 22.8; E. 1.10; e até servia para designar funcionários celestes, Sl 103.21; 104. 4.

 

3 – Nome de alguém encarregado de exercer obrigações em lugar de outra pessoa, agindo como servo que executa ordens de seu senhor contra terceiros; em grego, diakonos. Por exemplo: magistrado que exerce a justiça de Deus sobre os que obram mal, Rm 13.4. Emprega-se especialmente para designar os ministros de Deus no evangelho de seu Filho, como Timóteo, Ef 6.21, Epafras, cl. 1.7.

A palavra diakonos também se emprega em sentido restrito, para designar o diácono, oficial eclesiástico, diferente do bispo.

 

 

            Após tomar conhecimento dos ensinamentos acima, concluímos: A SAF tem pois, nas Secretarias, instruções para “todos os ministérios” . Ei-las:

 

1 – Secretaria de Espiritualidade ( ministério da edificação )

a.      Incentiva o crescimento espiritual das sócias estimulando-as à prática da oração, leitura e aplicação da Bíblia;

  1. Estimula as sócias à prática e fidelidade na entrega do dízimo;
  2. Cuida da parte devocional da plenária e reuniões festivas da SAF juntamnete com a Presidente;
  3. Estimula as sócias à realização do culto doméstico (a IPB tem material propício: leitura diária da Revista da Escola Dominical/CEP, devocionário Cada Dia...);
  4. Promove estudos e concursos bíblicos;
  5. Orienta e conduz as reuniões de oração;
  6. Promove ligas de oração (nós chamamos Liga ao que chamam agora corrente. Liga de oração é o compromisso que as sócias assumem de orar por um mesmo assunto, num horário definido, no lugar onde estiver);

h.      Participa das vigílias (as vigílias são programadas sob orientação e direção do Conselho da Igreja);

  1. Estimula às sócias orientando-as quanto à prática salutar do jejum pessoal (quanto ao jejum coletivo ver Art 24/25 – Princípios de Liturgia da IPB )

 

2 – Secretaria de Música  ( ministério da música)

            Esta Secretaria abrange a área de louvor (cantado), dos instrumentos, dos conjuntos, da educação musical e de todas as atividades musicais da SAF, do seguinte modo:

a.      Louvor – orientação e seleção quanto à escolha dos cânticos, estudo quanto ao aspecto teológico espiritual dos hinetos ou cânticos espirituais, velando pela sua fundamentação teológica e doutrinária, estimulando a SAF ao conhecimento dos hinos do Hinário Novo Cântico;

  1. Instrumentos – conservação e utilização dos instrumentos adquiridos pelo Conselho ou sob sua orientação;
  2. Conjuntos – estimular e orientar a criação de duetos, trios, quartetos, grupo vocal e grupo instrumental , organização e manutenção de coral;
  3. Cursos – de teoria musical, instrumentos musicais, (tanto quanto possível providenciar para que as crianças, adolescentes e jovens aprendam música, evitando assim, o tocar de ouvido); técnica vocal, regência, história da música na Bíblia e hinologia;

e.      Atividades musicais variadas – mostras de música sacra, seminários, estudos práticos sob forma de palestra, debates ou dinâmica de grupos; divulgação de literatura musical, apresentação evangelística, concursos de músicas inéditas; mostrar que, na igreja, a música é parte efetiva do culto que prestamos a Deus e nunca uma apresentação artística. Por ser parte do culto a Deus deve ser cada vez mais dedicada ao Senhor, procede de corações santificados e lábios puros

 

3 – Secretaria de Assistência Social  ( ministério da misericórdia)

Esta, tem sob sua responsabilidade desenvolver o espírito de serviço entre as sócias da SAF, como prática concreta do amor cristão – Mt 25.35 (entre muitos outros textos). E deve trabalhar em conjunto com a Junta Diaconal  - Art 53b/CI, desenvolvendo as seguintes atividades:

  1. Palestras – sobre primeiros socorros, higiene, relações humanas , cuidados especiais com a infância e terceira idade, doenças sexualmente transmissíveis / sexo pré conjugal, produção independente etc;
  2. Visitas – aos presídios, asilos, orfanatos, hospitais, enfermos em suas casas, jovens casais;
  3. Distribuição – alimentos ( cestas básicas em parceria com a Junta Diaconal de acordo com o plano assistêncial da Igreja), roupas, agasalhos, calçados...;
  4. Prestação de assistência financeira às sócias carentes ( informando à Junta Diaconal tal necessidade);
  5. Informações gerais sobre oportunidades de emprego;
  6. Promoção e realização de cursos – artesanato, pintura, escultura, trabalhos manuais, carpintaria, reciclagem de material usado (jornal, plástico etc ) marcenaria, corte e costura, culinária, prevenção de acidentes, computação, bombeiro hidráulico manicure, cabeleireiro e outros;
  7. Reforço escolar para população infantil de famílias de baixa renda, alfabetização de adultos, promoção de bolsas de estudo nas escolas seculares;
  8.  Projetos sociais – entre a população de rua e de baixa renda;

NOTA: Todas as atividades dos itens f, g e h são precedidas por uma devocional.

 

4 – Secretaria de Cultura ( ministério do aprimoramento )

Esta tem sob sua responsabilidade não só despertar e aprimorar nossas aptidões intelectuais, como também preservar os valores históricos, visando o crescimento cultural da sócia com a finalidade de ajudá-la a entender as mudanças que estão acontecendo à sua volta, relacionando as coisas de seu cotidiano com a Palavra de Deus, dando ênfase às seguintes atividades:

  1. Biblioteca – aquisição e manutenção do acervo ;
  2. Teatro – organização, ensaio e apresentação de peças;
  3. Concursos – contos, crônicas, textos, poesias....;
  4. Comemoração das datas cívicas – religiosas conforme calendário nacional e da IPB;
  5. Palestras culturais e projeções de filmes evangélicos ou culturais;
  6. Júri  simulado sobre temas do momento;
  7. Cultura bíblica  (geografia bíblica, história bíblica...);
  8. Passeios culturais – visitas a museus, cidades históricas....;
  9. Organização do Museu do Trabalho Feminino em nível local: SAF, Federação ou Sinodal.

 

5 – Secretaria de Causas da IPB  (ministério da promoção e conhecimento denominacional )

Esta é também conhecida como Secretaria de Educação e Causas da IPB porque tem sob sua principal responsabilidade despertar nas sócias o interesse pelo conhecimento dos símbolos de Fé de nossa denominação – Confissão de Fé, Manual Presbiteriano, Catecismos. E mais:

 

6 – Secretaria de Causas Locais e Sociabilidade (ministério da integração)

Tem a principal incumbência de promover a fraternidade cristã segundo os moldes da Bíblia, entre as sócias da SAF, levando-as a prestigiar todas as autoridades da Igreja em âmbito local, Federação, Sinodal e Nacional, motivando a sócia a mostrar especial apreço pelo pastor e sua família, bem como aos demais oficiais – presbíteros e diáconos.

Promover as festividades de aniversário das sócias (sempre em parceria com as outras secretarias), cumprimentando-as ou enviando mensagens de felicitações. Enviar mensagens e cumprimentos às Presidente de SAF, Federação, Sinodal e Nacional, por ocasião de seus aniversários, Natal e outras datas comemorativas.

Promover o entrosamento com todos os membros da Igreja, fazendo o intercâmbio com as demais sociedades internas- UPH, UMP, UPA, UCP e outras.

Dispensar especial atenção aos visitantes anotando-lhes o endereço, providenciando visitas ou enviando correspondência de agradecimento, convidando para outras ocasiões....

Mostrar interesse pelos problemas das sócias faltosas, visitando-as, orando com elas e por elas, enfim, dispondo-se para auxiliá-las em suas dificuldades.

 

7 – Secretaria de Evangelização e Missões (ministério da Palavra)

A Confederação Nacional do Trabalho Feminino, a título de economia, fundiu estas duas Secretarias apenas em nível nacional, nada impede porem que as SAFs, Federações e Sinodais tenham-nas desdobradas, isto é, uma secretária para evangelização e outra para missões. Partamos entretanto, da premissa de que estamos trabalhando com uma secretária nas duas funções. Esta tem sob sua responsabilidade principal despertar e comprometer as sócias ao cumprimento da grande comissão deixada por Jesus (Mt 28.19, 20), o que envolve a evangelização pessoal e em massa, dentro e fora dos nossos arraiais, promove reuniões evangelísticas na residência dos membros da igreja e de pessoas amigas ou não evangélicas que o desejem.

Providencia sob a orientação do Conselho da Igreja palestras e cursos de treinamento para evangelismo pessoal e para o discipulado dos neófitos.

Trabalho de evangelização ao ar livre (é bom lembrar que para este trabalho deve se providenciar alguém que tenha facilidade de expressão e uma boa postura em público); os cânticos devem ser bem ensaiados e uma boa aparelhagem de som é indispensável.

Boa literatura para distribuir aos transeuntes, abordagem simpática (isto consta dos treinamentos ).

Visitas evangelísticas aos presídios e hospitais, (é bom lembrar que há regulamentos específicos que devem ser conhecidos da equipe que realiza a visita).

Pontos de pregação - a organização, orientação e manutenção é de competência do Conselho da Igreja, entretanto a SAF através de todas as suas sócias participa efetivamente como membros da Igreja e esta Secretaria tem papel preponderante, também neste trabalho.

            Distribuição de Bíblias, Novos Testamentos, livros evangélicos e literaturas afins.

Incentivar as sócias a participar efetivamente da obra missionária da IPB, em todos os níveis: local, JNM, APMT, promovendo contato com os missionários nos campos, orando e levando outros irmãos a orarem também. Divulgar na Igreja informações sobre os campos, publicar as cartas recebidas dos missionários , expor em murais as cartas e fotos dos missionários e suas famílias, para que todos tomem conhecimento do que eles estão fazendo. Convidar as autoridades da área de missões da IPB para que profiram palestras sobre o assunto (sempre sob a direção do Conselho da Igreja), divulgar entre as sócias as campanhas em favor das Juntas de Missões da IPB: JMN, APMT. Enfatizar sempre que fazer missões passa pela fidelidade com que entregamos o dízimo do que Deus tem nos dado.

            Evangelização e Missões é uma questão de fidelidade.

 

8 – Estatística (ministério da avaliação)

Por onde passamos muitas vezes encontramos questionamentos tais como: “porque fazer estatística? Ficar contando o que se faz, quando isto contraria o que o Mestre ensinou: ...não saiba a mão esquerda o que faz a direita...” 

É bom lembrar, não só este, mas todos os ensinamentos bíblicos! Não devemos nos esquecer que o anotar, relatar os fatos é  também bíblico ( Jl 1.3).

O que Deus abomina é o fazer com o fim de se auto promover, para vangloriar-se de seus próprios feitos. Isto desagrada a Deus e não convém à auxiliadora.

Os relatos bíblicos com freqüência levam-nos a concluir que, a estatística está presente em mais momentos do que nós pensamos. Ex. o livro de Números recebe este nome porque sua ênfase é a contagem, o recenseamento do povo. Quando Jesus nasceu, seus pais  haviam ido a Belém para alistar-se(Lc 2.,2). Em II Rs 4.42-44, encontramos uma estatística da multiplicação,  assim como em Mt 14.15-21 e Jo 6.1-12. Aliás, amada irmã, é através da estatística que você se auto-avalia.

Se a estatística de sua SAF vai mal, pode ser que você não esteja cooperando tanto como imagina. Na verdade a estatística  começa com o seu relatório. Lembre-se é também de Jesus a recomendação: “... assim brilhe a vossa luz diante dos homens...” (Mt 5.16);  nossos feitos devem corroborar não só com nossa edificação como também com a de outros que estão à nossa volta.

Daí a função da Secretária de Estatística coletar dados (reais) das atividades executadas pelas sócias, analisando-os e avaliando-os, tornando estes dados e atividades graficamente demonstrados, com o fito de ressaltar os pontos positivos e negativos a fim de que melhoremos a cada dia os resultados do nosso trabalho.

As relatoras de Departamento da SAF, são responsáveis pela coleta dos dados a serem fornecidos à Secretária de Estatística.

Recomenda-se que após a última ata lavrada no ano, seja transcrita a estatística da SAF; após a ata do Congresso da Federação seja transcrita a estatística da Federação, e, ano a ano, seja transcrita a Estatística da Sinodal.

 

9- Secretaria de Comunicação e Marketing (ministério da divulgação)

Hc 2.2 - torna-se cada vez mais expressivo o chavão “a propaganda é a alma do negócio”. E em nossas Igrejas não é diferente. Neste “negócio santo“, não adianta você elaborar um grande programa, convidar renomados pregadores...enfim, cuidar de tudo porém, não divulgar; o objetivo jamais será alcançado.

É preciso pois, comunicar, e comunicar bem, de forma agradável, atraente e convincente.

Esta Secretaria desempenha este ministério com criatividade e responsabilidade cristã, visando dar às sócias e à Igreja (Federação e Sinodal também devem ter esta Secretaria, cujas informações devem ser sintonizadas) amplo conhecimento de todas as atividades, quer costumeiras (já constantes do calendário de atividades) ou especiais, desenvolvendo as seguintes tarefas:

  1. Elaboração de cartazes de propaganda de todos os trabalhos da SAF, em qualquer âmbito;
  2. Providenciar para que a SAF tenha o seu próprio boletim e se isto não for viável, cuidar para que todas as informações cheguem em tempo hábil à redação do boletim da Igreja, a fim de se tornarem amplamente divulgadas todas as atividades da SAF;

C.    Receber e organizar todo o material a ser publicado no Boletim da SAF, Federação ou Sinodal, SAF em Revista e Brasil Presbiteriano;

  1. Selecionar o material procurando ajustá-lo ao calendário e sobretudo, tendo o cuidado de submetê-lo ao conhecimento e aprovação do Conselheiro;
  2. Estimular as sócias a escreverem monografias, artigos, poesias, para a SAF em Revista, Brasil Presbiteriano e outras publicações regionais;Como vemos a cada dia mais se agigantam as facilidades na comunicação, a tecnologia nos move ao simples “toque de um botão” para tomar conhecimento de fatos longínquos. Entretanto, não raras vezes, acontecem reuniões em nossa Federação ou Sinodal e a grande maioria nem toma ciência disto.
  3. Compete pois, à Secretária de Comunicação e Imprensa promover este conhecimento e estimular ao comparecimento.

 

       Assim, pois, falamos um pouco do Ministério que atende pela sigla SAF – Sociedade Auxiliadora Feminina.

Esta sociedade tem buscado intensamente servir a Deus servindo à IPB.

       Como é formada de mulheres que na vida secular desempenham os mais variados papéis ou encargos, procuram desempenhá-los em sintonia com sua fé e doutrina. Daí ser comum encontrar auxiliadora ( sócia da SAF) em todos os segmentos da sociedade. Enganam-se aqueles que pensam que a SAF é uma sociedade de velhinhas que se reúnem para tomar chá e fazer crochê...Também fazemos isto, mas a SAF tem mais de “1001 utilidades”. Participa efetivamente da vida da Igreja, como parte integrante dela e principalmente na evangelização.

Com carinho.

                           Leontina Dutra da Rocha

                                  Presidente